Orientação Profissional, o que é realmente?

Orientação Profissional, o que é realmente?

Muito se fala sobre Orientação Profissional nas universidades, escolas e em vários meios de comunicação, mas você realmente sabe o que é e como funciona um processo de Orientação Profissional? Orientação Profissional Curitiba   A Orientação Profissional é antes de tudo um processo, então não pode ser realizada em uma ou duas horas, ou mesmo em um dia. É um processo de construção de autoconhecimento e de entendimento das áreas pelas quais o cliente demonstra interesses e afinidades. Normalmente um processo de Orientação Profissional leva em torno de 10 sessões, preferencialmente intervaladas, pois esses intervalos permitem que o cliente tenha mais tempo para construir um conhecimento sólido e realizar todas as tarefas que podem ser solicitadas pelo orientador que o está auxiliando. Essa área não se resume apenas à escolha profissional propriamente dita, mas também abrange outras funções como uma sensibilização para escolha profissional (preparar as pessoas para realizarem essa escolha mais tranquilamente no futuro), reorientação e planejamento de carreira e para preparação para o vestibular (buscando ensinar o cliente como sofrer menos com o stress pré-vestibular e desenvolver melhores métodos de estudo), entre outras possibilidades oferecidas por esse processo. Dentro dessa prática, temos como objetivos fazer com que o cliente aprenda mais sobre si mesmo, sobre as áreas pelas quais têm interesse, sobre o mercado de trabalho e a realidade do dia a dia da profissão pela qual se interessa, para que ele entenda realmente o todo que engloba essa escolha, pois a escolha profissional não é simplesmente a escolha de um curso, mas é uma escolha que muitos temem ser para toda a vida. “Para um adolescente,...
Comprar, até quando é normal e quando se torna uma compulsão?

Comprar, até quando é normal e quando se torna uma compulsão?

Nós vivemos em uma sociedade em que o consumo e a aquisição de produtos é algo comum e incentivado, mas existe um limite para isso? É importante ressaltar que existe um prazer real em adquirir produtos que nos são necessários ou que representam para nós um sonho ou uma conquista especial, algo que nos esforçamos para alcançar. Mas o problema começa quando compramos coisas em excesso, simplesmente porque parecia uma boa ideia naquele momento. As compras por impulso atingem 85% dos consumidores, segundo o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), essas compras são realizadas sem planejamento e, o pior, muitas vezes sem que a pessoa tenha consciência de sua situação financeira para arcar com aquele gasto. O que nos leva a outro problema, as compras ligadas a respostas emocionais. Ainda segundo o SPC, 43% dos consumidores entrevistados relataram que realizam compras em momentos de Ansiedade, Tristeza ou Angústia. A compra então se torna apenas uma válvula de escape e a pessoa passa a adquirir e acumular produtos de que ela simplesmente não faz uso, simplesmente para poder sentir o prazer momentâneo da compra, ocultando os problemas que realmente lhe incomodam. O comprador compulsivo tem alguns comportamentos típicos, como: Deixar de pagar contas essenciais para comprar supérfluos; Esconder de outras pessoas o que comprou; Mentir sobre a quantidade de dinheiro que gastou; Precisar comprar quando se sente triste ou ansioso; Sentimento exagerado de euforia e ansiedade durante as compras; Sente-se culpado ou envergonhado após comprar; Precisa fazer “malabarismos” para pagar as dívidas causadas por gastos desnecessários; Acumulo de cartões de crédito e cheques sem necessidade. Na sua forma mais grave...